Notícias

26/11/2019 19:11Brasil tem 12 pentatletas no Sul-Americano Sub-19


O Brasil encara, a partir desta sexta-feira, 29, sua última competição internacional de Pentatlo Moderno na temporada. Na ocasião, em Montevidéu, no Uruguai, terá início do Campeonato Sul-Americano Sub-19 da modalidade olímpica que reúne natação, esgrima, hipismo e laser-run (tiro a laser e corrida). Mas como o torneio é para atletas das categorias de base, a equitação não entra na programação das provas, presente apenas a partir da categoria Júnior.

Até sábado, 30, pentatletas de pelo menos cinco países (Argentina, Brasil, Chile, Uruguai e Peru) vão competir no Complejo Deportivo del Ejército, na capital uruguaia. O Brasil estará representado por 12 pentatletas, de 18 a 10 anos.

O torneio vai reunir disputas em todas as categorias de base do Pentatlo Moderno. Na Sub-19, destinada para competidores de 17 e 18 anos, os pentatletas vão encarar quatro das cinco provas do esporte (natação, esgrima e laser-run). O carioca Matheus Romanelli, de 18 anos, será um dos presentes no evento.

Será a segunda vez que Romanelli participará do Sula Sub-19. Em 2016, na Argentina, mesmo com apenas 15 anos, ele conquistou duas medalhas na categoria sub-19: prata por equipes e bronze no revezamento misto.

“Tenho muitos amigos pentatletas no Uruguai, então achei muito legal a competição em Montevidéu”, comemora Romanelli. “Os treinos foram cansativos e espero ter o meu melhor desempenho de todos os meus cinco anos no Pentatlo Moderno, já que venho trabalhando muito para isso”.

Também medalhista do Sul-Americano Sub-19, o paranaense Carlos Assis, 17, chega ao Uruguai com um bronze por equipes conquistado no ano passado, na Argentina. Neste ano, o pentatleta teve a oportunidade de participar do Mundial da categoria, em setembro, na Bulgária.

“Foi muito bom competir na Bulgária, principalmente para eu conhecer o nível dos atletas de outros países e ver como estamos indo. Foi uma oportunidade única de estar competindo entre os melhores do mundo”, Assis destaca.

Sobre o torneio no Uruguai, o pentatleta, que treina no Colégio Militar de Curitiba, disse ter tido uma preparação de “ritmo forte”, focada para essa competição.

“Tentamos aprimorar mais a natação, que é uma deficiência minha. Acredito que vou me sair bem e tenho esperança de medalha”, avalia.

ESTREANTES

Apesar de ter veteranos em competições do Pentatlo Moderno, como Matheus Romanelli e Carlos Assis, a delegação brasileira no Sula do Uruguai vai contar com muitos estreantes em provas internacionais da modalidade. É o caso da carioca Raphaela Silva, 18, que já tem duas medalhas sub-19 no Campeonato Brasileiro: ouro em 2018 e bronze em 2017

“Me dediquei ao máximos nos treinos, por isso espero melhorar marcas e adquirir conhecimento de uma prova mais forte”, projeta.

Também estreante fora do Brasil e em uma categoria abaixo de Raphaela, Andrey Mariano, 13, se diz “muito feliz” por “sair do país”. Com seis anos de Pentatlo Moderno, o carioca subiu no pódio dos últimos quatro brasileiros: ouro sub-13 em 2016 e bronze em 2015; bronze sub-15 em 2017; e prata sub-17 no ano passado.

“A maior expectativa que eu tenho é que irei fazer meu melhor resultado. Os treinos foram estimulantes para chegar ao êxito com o auxílio do meu técnico”, anima-se.

MÉDIA DE 14 ANOS

A média de idade da delegação brasileira no Uruguai é de 14 anos. Dos 12 pentatletas que estão no país vizinho, a metade tem 13 anos ou menos. Esses jovens competidores vão participar das disputas das categorias sub-15 (para atletas com 13 e 14 anos), sub-13 (11 e 12), sub-11 (9 e 10) e sub-9 (8 anos ou menos).

Nesse grupo de jovens atletas, o pernambucano Rômulo Neto, 13, está há pouco mais de um ano no Pentatlo Moderno, mas sempre gostou de esportes. Aluno do Colégio Militar de Recife, ele faz o tradicional caminho de grandes pentatletas, que começaram na modalidade olímpica pela natação e acrescentou aos poucos os demais esportes no programa de treinamento.

No primeiro Brasileiro do qual participou, no ano passado, Rômulo foi ouro sub-13. Neste ano, teve a oportunidade de participar dos Jogos da Amizade, torneio que reúne alunos de colégios militares do país. Na competição, que aconteceu em agosto, na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), no Rio de Janeiro, ele foi bronze competindo com atletas de até 17 anos.

“A expectativa é de fazer uma boa prova, pois tenho treinado para isso. Vai ser uma nova experiência para minha evolução como atleta. Tenho treinado para ter o meu melhor desempenho, por isso quero subir ao pódio”, mira.

Na mesma categoria de Rômulo, a paulista Maria Eduarda Costa, 13, quer fazer uma boa competição e melhorar seus tempos. A pentatleta está no Pentatlo Moderno há três anos e tem um ouro sub-15 no Open de Santos do ano passado.

“Minha preparação foi bem intensa, já que treino de segunda a sexta das 14 às 21h e aos sábados das 8h às 13h”, conta.

CAÇULAS

Dentre os mais jovens da delegação brasileira no Uruguai, a carioca Ana Clara Ferreira, 11, diz estar muito feliz por representar o país em uma competição internacional. Com quase dois anos no Pentatlo Moderno, em Montevidéu a atleta diz querer adquirir experiência com outras competidoras.

“Meus técnicos programaram um treino muito forte para eu conseguir baixar os meus tempos, para continuar com o índice internacional. Minha meta é terminar bem a prova”, espera.

Apesar da pouca idade e de sua categoria só contar com a natação e a corrida, Ana Clara já começou a introduzir as outras modalidades em seus treinamentos. A carioca tem se dedicado até mesmo ao hipismo, exigido apenas para atletas com mais de 19 anos.

Também no grupo dos brasileiros mais jovens em Montevidéu, a paulista Isabela Zucchi, 10, é a caçula da delegação. Mesmo com tão pouca idade, ela pratica o Pentatlo Moderno desde os seis anos.

No primeiro torneio do qual disputou, o Brasileiro de 2015, Isabela conquistou o ouro sub-11, mesmo estando uma categoria abaixo, naquela época (sub-9). Nos anos seguintes, foi ouro na mesma categoria no Open de Santos de 2017 e 2018.

“Espero fazer um bom desempenho, já que treinei muito e, claro, trazer uma medalha. Desde janeiro venho treinando bastante para medalhar no torneio. Espero ganhar o ouro, já que me dediquei bastante”, torce.

A delegação brasileira no Uruguai é comandada pelo coordenador-técnico da Confederação Brasileira de Pentatlo Moderno (CBPM) no Rio de Janeiro, Fábio Correa. Ele tem a companhia dos técnicos Almir Claudino, de Pernambuco, e Odenir Fonseca, de São Paulo.

Dos 12 pentatletas que vão competir a partir desta sexta, Matheus Nobre e Carlos Assis recebem o benefício da Bolsa Atleta do Ministério da Cidadania. Oito deles foram relevados no PentaJovem, projeto que a CBPM mantém para a descoberta e formação de novos nomes na modalidade.

DELEGAÇÃO BRASILEIRA

Masculino
Matheus Nobre – 18 anos
Matheus Romanelli - 18 anos
Carlos Assis - 17 anos
Andrey Mariano - 15 anos
Nicholas Medeiros – 15 anos
Rômulo Neto - 13 anos
Kaio Ribeiro – 11 anos

Feminino
Raphaela Silva - 18 anos
Marcela Mello - 15 anos
Maria Eduarda Costa – 13 anos
Ana Clara Ferreira – 11 anos
Isabela Zucchi – 10 anos

PROGRAMAÇÃO

Sexta-feira (29 de novembro): Disputas individuais
Sábado (30 de novembro): Revezamentos

EVENTOS

Sub-19 (17 e 18 anos): natação, esgrima e laser-run
Sub-17 (15 e 16 anos): natação e laser-run
Sub-15 (13 e 14 anos): natação e corrida
Sub-13 (11 e 12 anos): natação e corrida
Sub-11 (9 e 10 anos): natação e corrida
Sub-9 (abaixo de 9 anos): natação e corrida

 

« Voltar