Comunicados da diretoria

Regulamento Técnico da CBPM ( dezembro 2010)
14/12/2010


 


REGULAMENTO TÉCNICO DA CBPM

 

1. COMPOSIÇÃO DO DEPARTAMENTO TÉCNICO DA CBPM

- Chefe do Departamento Técnico ( Diretor Técnico da CBPM);
- Sub-Diretor de Provas;
- Sub-Diretor de Arbitragem;
- Sub-Diretor da Categoria Júnior;
- Sub-Diretor da Categoria Jovem “A” e “B”;
- Sub-Diretor da Categoria Jovem “C”, ”D” e “E”.


2. ATRIBUIÇÕES

a. Chefe do Departamento Técnico ( Diretor Técnico da CBPM):
- elaborar o Calendário Esportivo anual da CBPM;
- propor programas e projetos para o desenvolvimento do pentatlo moderno;
- dirigir e executar os serviços relativos à realização de competições e campeonatos promovidos ou patrocinados pela CBPM;
- opinar sobre questões de ordem técnica junto á CBPM e a outros órgãos;
- organizar a estatística das competições promovidas pela CBPM;
- manter em dia o registro das competições interestaduais e internacionais realizadas por equipes brasileiras, no país ou no exterior;
- dar parecer sobre pedidos de licença para a realização de competições interestaduais e internacionais;
- ter sob sua responsabilidade e controle, e manter em dia, o cadastro de atletas da CBPM;
- opinar sobre os pedidos de transferência de atletas, fazendo ou mandando fazer o competente registro nas respectivas fichas;
- tomar e executar as providências necessárias ao preparo das equipes representativas da CBPM;
- dar parecer sobre as praças de desportos e instalações apresentadas para a realização de competições ou campeonatos promovidos ou patrocinados pela CBPM;
- organizar e fiscalizar o registro dos atletas na CBPM;
- organizar e manter em dia o cadastro dos árbitros e técnicos de Pentatlo Moderno;
- executar outras atribuições que lhe forem expressamente determinadas pelo Presidente da CBPM;
- confeccionar os regulamentos técnicos encaminhando-os à Diretoria para aprovação;
- organizar o quatro oficial de árbitros da CBPM;
- designar árbitros para as competições e campeonatos promovidos ou patrocinados pela CBPM e designar os que devam servir nas competições;
- propor à Diretoria a aplicação das penas regulamentares de que se tornarem passíveis os pentatletas registrados na CBPM e comunicar as infrações aos regulamentos, cometidas pelas entidades filiadas.

b. Coordenador Técnico:

- Coordenar todas as atividades referentes ao treinamento dos atletas das equipes brasileiras de todas as categorias, reportando ao Diretor Técnico da CBPM quanto ao trabalho que vem sendo realizado;
- Coordenar o trabalho dos técnicos e treinadores das diferentes modalidades do Pentatlo Moderno, visando proporcionar o máximo de harmonização e eficiência nos métodos de treinamentos aplicados aos atletas;
- Conduzir os períodos de treinamento centralizados dos atletas integrantes das equipes brasileiras de todas as categorias;
- Fazer a planificação do treinamento dos atletas que compõe as equipes brasileiras, ou então, coordenar, orientar e verificar o desenvolvimento e a condução do treinamento dos atletas, através de contato direto com os respectivos técnicos;
- Estabelecer as prioridades para a participação dos atletas brasileiros nas diversas competições internacionais, assessorando o Diretor Técnico da CBPM quanto ao nível de importância para participação dos mesmos em determinada competição;
- Assessorar o Diretor Técnico da CBPM quanto ao planejamento e realização de períodos de treinamento fora do Brasil (training camp).

c. Sub-Diretor de Provas
- propor a aquisição de equipamentos necessários à organização e condução das provas de Pentatlo Moderno;
- zelar pela manutenção dos equipamentos de provas;
- auxiliar na condução das competições nacionais e internacionais no Brasil.
- substituir o Chefe do Departamento Técnico nas suas ausências;
- desempenhar qualquer outra atribuição delegada pelo Chefe do Departamento Técnico.

d. Sub-Diretor de Arbitragem
- auxiliar na preparação dos cursos de arbitragem da CBPM;
- ministrar palestras nos cursos de arbitragem da CBPM;
- atualizar as regras da UIPM e distribuí-las às filiadas;
- auxiliar na condução das competições nacionais e internacionais no Brasil;
- formar o quadro de árbitros da CBPM;

e. Sub-Diretores das categorias Júnior e Jovem
- difundir o Pentatlo Moderno nos locais com estrutura física ou recursos humanos disponíveis para a prática do desporto;
- auxiliar na condução das competições nacionais e internacionais no Brasil em suas respectivas categorias;


3. FORMATO DAS COMPETIÇÕES NACIONAIS

a. Categorias

1) Senior e Júnior
Em princípio, não haverá diferenciação de categoria e de genero entre as séries, poules ou ordem de largada da corrida e equitação nas categorias Senior e Júnior. Entretanto, a premiação será na categoria Júnior e no Geral.
A prova de equitação terá altura média de 1 metro, dentro da distância e números de obstáculos estabelecidos nas regras da UIPM.

2) Jovem A (17 e 18 anos)
Será disputado o Tetratlo Moderno (Tiro, Esgrima, Natação e Corrida) com as mesmas distâncias da categoria senior.

3) Jovem B (15 e 16 anos)
Será disputado o Triatlo Moderno (Tiro, Corrida e Natação), sendo que a prova de corrida será realizada na distância de 2000m.

4) Jovem C (13 e 14 anos)
Em princípio, será disputado o Biatlo Moderno (Natação e Corrida), nas seguintes distâncias: Natação – 100m e Corrida – 1000m.

5) Jovem D (11 e 12 anos)
Será disputado o Biatlo Moderno, nas seguintes distâncias: Natação – 50m e Corrida– 1000m.

6) Jovem E10 (10 anos)
Será disputado o Biatlo Moderno, nas seguintes distâncias: Natação – 50m e Corrida– 500m.

7) Jovem E9 (9 anos)
Será disputado o Biatlo Moderno, nas seguintes distâncias: Natação – 50m e Corrida– 500m.

6) Jovem E8 (8 anos ou mais jovem)
Será disputado o Biatlo Moderno, nas seguintes distâncias: Natação – 50m e Corrida– 500m.


b. Biatlo Moderno

Com a finalidade de difundir o Pentatlo Moderno e torná-lo acessível a um público maior, competições de Biatlo Moderno (natação e corrida) poderão ser organizadas em todas categorias. A pontuação do biatlo moderno será a estabelecida pela UIPM para o Biatlo Escolar para ambos os sexos.

c. Considerações técnicas

1) Todas competições nacionais previstas no Calendário Desportivo Anual da CBPM deverão ser tecnicamente controlada por um delegado técnico, devidamente credenciado. Ele será indicado pelo Diretor Técnico da CBPM e, em princípio, não poderá integrar os quadros da Federação organizadora do evento. Tendo em vista a necessidade de presteza na apuração dos resultados, os focos principais de seu trabalho serão:
- viabilização dos meios computacionais;
- domínio do programa de apuração disponibilizado pela CBPM;
- integração entre os diretores de prova, sub-diretor de cada categoria da CBPM, equipe de apuração e equipe de premiação;
- inspeção e aprovação dos locais de competição;
- aferição das distâncias dos percursos de corrida e hipismo, realizando os ajustes necessários;
- envio do resultado imediatamente por e-mail e fax para os Diretores Técnico e de Marketing da CBPM.

2) Deverão integrar o Comitê Organizador de cada prova nacional, no mínimo, as seguintes equipes:
- administrativa (recepção, hospedagem, alimentação, credenciamento e transporte);
- do Cerimonial de abertura e encerramento;
- médica;
- da prova de esgrima;
- da prova de natação;
- da prova de hipismo;
- da prova do combinado;
- de apuração de resultados;
- de premiação.

3) Em princípio, haverá diferenciação entre masculino e feminino nas séries de natação, poules de esgrima e provas de combinado. As séries de equitação poderão ser mistas.

4) O Júri Técnico de cada competição será constituído para julgar, em primeira instância, os recursos impetrados pelos treinadores dos atletas, ou substitutos, contra uma decisão de ordem técnica da direção de prova. Ele será formado pelo Delegado Técnico da competição, que o presidirá, e por um representante de cada Federação filiada. É conveniente que estes integrantes possuam habilitação técnica da CBPM para exercer sua função. Cada membro terá direito a um voto e as decisões serão tomadas por maioria simples, cabendo ao Delegado Técnico o voto de qualidade, se for o caso.

5) O Júri de Apelação de cada competição será constituído para julgar, em última instância, os recursos impetrados pelos treinadores, ou substitutos, contra uma decisão do Júri Técnico. Ele será formado pelo Presidente da CBPM, que o presidirá, ou seu representante legal, e pelos Presidentes de cada Federação filiada participante da competição, ou seu representante legal. Cada membro terá direito a um voto e as decisões serão tomadas por maioria simples, cabendo ao Presidente da CBPM o voto de qualidade, se for o caso.

d. Convite

O Comitê Organizador deverá enviar o convite às entidades filiadas para participação nas competições nacionais com antecedência mínima de 60 dias, e deverá conter, os seguintes itens:
- formato (categorias e provas disputadas – biatlo, triatlo, etc);
- programa-horário (chegada, inspeção dos animais, reunião técnica, cerimônia de abertura, horário e seqüência das provas, cerimônia de premiação, evento de confraternização, partida);
- superfície e topografia do terreno da prova de corrida, espécie de tênis mais adequado;
- quantidade-limite de competidores por filiada, se for o caso;
- data-limite de recebimento dos formulários de inscrições “A” e “B”;
- endereço, telefone e fax do Comitê Organizador;
- disponibilidade de “garrafas” de CO2 e ar comprimido para recompletamento dos cilindros das armas;
- dimensões da piscina e temperatura da água para a prova de natação;
- distribuição de prêmios e diplomas aos vencedores;
- locais para hospedagem e alimentação;
- condições financeiras para hospedagem, alimentação e inscrições.

e. Formulários de inscrições

1) Formulário “A”: preenchido e enviado pelas filiadas à CBPM e ao Comitê Organizador da competição nacional com antecedência mínima de 30 dias. Destina-se a fornecer informações quantitativas de participação (modelo em anexo).

2) Formulário “B”: preenchido e enviado pelas filiadas à CBPM e ao Comitê Organizador da competição nacional com antecedência mínima de 07 dias. Destina-se a fornecer informações para inscrever os respectivos atletas na competição (modelo em anexo).

f. Sugestão para quadro-horário das provas nacionais (um dia de competição).

HORA PROVA CATEGORIA
0800 ESGRIMA SENIOR e JÚNIOR MASC e FEM
0900 NATAÇÃO (200m) JOVEM A e B FEM e MASC
1030 NATAÇÃO (200m) SENIOR e JÚNIOR MASC e FEM
1000 ESGRIMA JOVEM A FEM e MASC
1130 EQUITAÇÃO (REC PERCURSO) SENIOR e JÚNIOR FEM e MASC
1200 EQUITAÇÃO (SORTEIOS MASC e FEM) SENIOR e JÚNIOR FEM e MASC
1230 EQUITAÇÃO (PROVA) SENIOR e JÚNIOR FEM e MASC
0930 NATAÇÃO (50m) JOVEM D e E FEM e MASC
0945 NATAÇÃO (100m) JOVEM C FEM e MASC
1430 CORRIDA (1000m) JOVEM E FEM e MASC
1440 CORRIDA (1000m) JOVEM D FEM e MASC
1450 CORRIDA (1000m) JOVEM C FEM e MASC
1500 COMBINADO (2000m) JOVEM B FEM e MASC
1550 COMBINADO (3000m) JOVEM A FEM e MASC
1640 COMBINADO (3000m) SENIOR e JÚNIOR FEM
1730 COMBINADO (3000m) SENIOR e JÚNIOR MASC


4. RANKING NACIONAL

Para a elaboração do ranking nacional, será considerada a média dos dois melhores resultados dos atletas nas competições constantes do Calendário da CBPM nos últimos 12 meses. Um desses dois resultados deverá ser, obrigatoriamente e no mínimo, obtido em competição nacional. O ranking nacional será atualizado e divulgado mensalmente.
Para as categorias Jovens C; D e E, as competiçoes regionais, além das nacionais, servirão para a formação do ranking nacional
Com a finalidade de nivelar os resultados de competições nacionais e internacionais, será estabelecido um fator multiplicador (de conversão) de resultados para as provas de esgrima e hipismo.

a. Provas nacionais

- Hipismo

MÉDIA DAS ALTURAS DOS OBSTÁCULOS FATOR MULTIPLICADOR
1,10 metro ou superior 1,0
1,0 metros 0,9
0,9 metros - 10 obstáculos simples 0,6
0,8 metros – 08 obstáculos simples 0,5


- Esgrima

A critério do Departamento Técnico poderá ser realizada poule única de esgrima, nas provas nacionais, com participação de atletas femininos e masculinos.
Para efeito de pontuação no ranking brasileiro e a fim de estabelecer o nível técnico da competição, será estabelecido um fator de conversão, de acordo com a média obtida pelos atletas masculinos e comparada com a média de uma prova como um todo. Posteriormente, deve-se subtrair a média dos homens da média da prova, encontrando um valor, que deve ser aplicado na subtração ou soma de cada atleta. Mesmo raciocício para a obtenção da pontuação do ranking feminino.

Exemplo:
Média da esgrima da prova como um todo (masc e feminino) = 832 pontos
Média da esgrima da prova masculina = 852 pontos
Conversao masculina = 832-852 = - 20 pontos
Média da esgrima da prova feminina = 852-792 = 60 pontos

Deve-se então diminuir de cada atleta masculino 20 pontos na esgrima e somar 60 pontos para cada atleta feminina no resultado original (de prova).

b. Provas internacionais

- Hipismo

MÉDIA DAS ALTURAS DOS OBSTÁCULOS FATOR MULTIPLICADOR
1,0 metro ou superior 1,0
0,9 metros 0,9
0,8 metros 0,8

- Esgrima

NÍVEL DA COMPETIÇÃO FATOR MULTIPLICADOR
NACIONAL E SULAMERICANO 1,0
PANAMERICANO E MEETING INTERNACIONAL 1,1
COPA DO MUNDO, CAMP MUNDIAL E JOGOS OLÍMPICOS 1,2


5. CALENDÁRIO DESPORTIVO ANUAL DA CBPM

O Calendário Desportivo Anual da CBPM será composto por competições internacionais de interesse e relevância para o desenvolvimento do Pentatlo Moderno e também por competições nacionais, organizadas em locais propícios ao desenvolvimento da modalidade e, quando for possível, uma por área de Federação filiada. Será estabelecida uma prioridade de participação brasileira entre as competições internacionais, a fim de melhor definir a alocação do orçamento anual da CBPM. Conterá, também, os índices mínimos a serem atingidos pelos atletas, no biatlo, para os Jovens C; D e E, ou no triatlo moderno, para os demais, para participar de determinada competição.


6. COMPOSIÇÃO DA DELEGAÇÃO BRASILEIRA NAS COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS

a. O Departamento Técnico da CBPM proporá anualmente o efetivo e composição das delegações à Presidência da Confederação para participação em competições internacionais relevantes. Definirá, também, os índices mínimos a serem atingidos pelos atletas no triatlo moderno, baseado na pontuação do pior resultado no triatlo moderno dos finalistas do Campeonato Mundial do ano anterior. Esses índices serão definidos na orientação técnica.

b. Desde que o atleta tenha atingido o índice mínimo exigido, os seguintes aspectos serão levados em consideração para composição das equipes:

- ranking nacional;
- equilíbrio de participação entre atletas de mesmo nível;
- possibilidade de obtenção de resultados expressivos;
- disponibilidade dos atletas para cumprir os mesociclos e microciclos de treinamento que antecedem a competição-alvo.

c. O Departamento Técnico poderá ainda, a seu critério, avaliar os atletas nos dias que antecedem uma competição internacional a fim de confirmar as suas performances.

d. Para os Jogos Olímpicos, Jogos Panamericanos, ou suas seletivas, o Departamento Técnico da CBPM definirá, com a oportunidade necessária, os critérios para composição do selecionado brasileiro.


7. FORMAÇÃO DO QUADRO DE ÁRBITROS DA CBPM

Com a finalidade de aprimorar a preparação e a condução das competições nacionais e internacionais, a CBPM promoverá, anualmente e de acordo com suas possibilidades, cursos de arbitragem em todas as praças de prática de Pentatlo Moderno. É conveniente que todos os diretores de provas nacionais possuam a habilitação da CBPM para exercer sua função.


8. FORMAÇÃO DO QUADRO DE DELEGADOS TÉCNICOS DA CBPM

Dentre os árbitros brasileiros habilitados nas cinco modalidades, a CBPM formará por indicação do Chefe do Departamento Técnico, um quadro de delegados técnicos. A condução técnica de todas as provas nacionais do Calendário Anual da CBPM estará a cargo de um Delegado Técnico.


9. FORMAÇÃO DO QUADRO DE TREINADORES DA CBPM

Com a finalidade de aprimorar a preparação física e técnica dos atletas de Pentatlo Moderno, a CBPM promoverá cursos para treinadores da modalidade em todas as praças desportivas no território nacional, de acordo com suas possibilidades.


10. RELATÓRIOS TÉCNICOS

Toda competição nacional ou internacional deverá ser registrada em um relatório (modelo em anexo) a ser elaborado pelo Delegado Técnico da competição nacional, ou pelo Chefe de Equipe da delegação brasileira no exterior, a ser encaminhado ao Departamento Técnico da CBPM no prazo máximo de uma semana após o seu término ou chegada da delegação ao Brasil.

 

11. ORIENTAÇÃO TÉCNICA ANUAL DO DEPARTAMENTO TÉCNICO DA CBPM

Anualmente, o Departamento Técnico da CBPM elaborará uma orientação técnica a ser encaminhada aos Departamentos Técnicos das entidades filiadas, contendo os objetivos do ano em questão, os critérios para composição do selecionado brasileiro em competições internacionais, a especificação de cada competição nacional e, ainda, sugestões técnicas para o formato de suas competições e elaboração de seus respectivos calendários.

 

ANEXOS:


- “A“: QUADROS - RESUMO DAS CATEGORIAS.
- “B”: MODELO DE FORMULÁRIO DE INSCRIÇÕES “A“.
- “C”: MODELO DE FORMULÁRIO DE INSCRIÇÕES “B“.
- “D”: MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO.
- “E”: TABELAS DO BIATLO MODERNO.

 

 


Rio de Janeiro, RJ, 15 de dezembro de 2009.

 

 

 

CELSO SOOMA SASAQUI
DIRETOR TÉCNICO CBPM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO “A” – QUADROS - RESUMO DAS CATEGORIAS

 

 

 


PROVAS


Categoria JOVEM E JOVEM D JOVEM C JOVEM B JOVEM A JÚNIOR SENIOR
Idade até 10 anos 11 e 12 anos 13 e 14 anos 15 e 16 anos 17 e 18 anos 19 a 21 anos acima 21anos
Natação 50m 50m 100m 200m 200m 200m 200m
Corrida 1000m 1000m 1000m 2000m 3000m 3000m 3000m
Esgrima NÃO NÃO NÃO NÃO SIM SIM SIM
Tiro NÃO NÃO NÃO SIM SIM SIM SIM
Hipismo NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO SIM SIM

 

 

 

 

ANOS DE NASCIMENTO POR CATEGORIA

 

 

 

 

 

 

 

CELSO SOOMA SASAQUI
DIRETOR TÉCNICO CBPM


ANEXO B – MODELO FORMULÁRIO “A” (EXEMPLO)

CAMPEONATO BRASILEIRO DE PENTATLO MODERNO


FORMULÁRIO DE INSCRIÇÕES “A”
(Enviar até 1 mês antes do evento)

 


Entidade filiada: ______________________________________________

Endereço: ___________________________________________________

Fax: ________________________ Tel:__________________________

E-mail: _____________________

 

 

CATEGORIA NÚMERO DE ATLETAS
MASCULINO FEMININO
SENIOR
JÚNIOR
JOVEM “A”
JOVEM “B”
JOVEM “C”
JOVEM “D”
JOVEM “E”

 

 

 

Número de Oficiais da entidade: __________


Outros: _________

 

 


Data: ____________ _____________________
Assinatura

 

ANEXO C – MODELO FORMULÁRIO “B” (EXEMPLO)

CAMPEONATO BRASILEIRO DE PENTATLO MODERNO


FORMULÁRIO DE INSCRIÇÕES “B”
(Enviar até 15 dias antes do evento)

 

Entidade filiada: ______________________________________________

Endereço: ___________________________________________________

Fax: ________________________ Tel:__________________________

E-mail: _____________________

 

1. CATEGORIA SENIOR MASCULINO

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


2. CATEGORIA SENIOR FEMININO

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


3. CATEGORIA JÚNIOR MASCULINO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________

 

4. CATEGORIA JÚNIOR FEMININO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


5. CATEGORIA JOVEM “A” MASCULINO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________

6. CATEGORIA JOVEM ”A” FEMININO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


7. CATEGORIA JOVEM ”B” MASCULINO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


8. CATEGORIA JOVEM ”B” FEMININO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


9. CATEGORIA JOVEM ”C” MASCULINO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


10. CATEGORIA JOVEM ”C” FEMININO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


11. CATEGORIA JOVEM ”D” MASCULINO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


12. CATEGORIA JOVEM ”D” FEMININO (nascidos em )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________


13. CATEGORIA JOVEM ”E” MASCULINO (nascidos depois de )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________

14. CATEGORIA JOVEM ”E” FEMININO (nascidos depois de )

NOME COMPLETO DATA NASC (d/m/a)

a. ________________________________________ _______________
b. ________________________________________ _______________
c. ________________________________________ _______________
d. ________________________________________ _______________

 


15. OFICIAIS:

a. ____________________________ b. ____________________________
c. ____________________________ d. ____________________________

 

 

 

 

 

Data: ______________ ___________________________
Assinatura

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANEXO “D“ – MODELO DE RELATÓRIO TÉCNICO

 

RELATÓRIO TÉCNCO DE PARTICIPAÇÃO NO _________________________

 

 

1. PERÍODO E LOCAL DO EVENTO.

 

2. COMPOSIÇÃO DA DELEGAÇÃO BRASILEIRA.

 

3. ANÁLISE SUCINTA DE PARTICIPAÇÃO DOS INTEGRANTES DA DELEGAÇÃO.

 

4. FATOS POSITIVOS E NEGATIVOS DE RELEVÂNCIA.

 

5. OBSERVAÇÕES E ENSINAMENTOS QUANTO À ORGANIZAÇÃO DA COMPETIÇÃO.

 

6. SUGESTÕES.

 

7. ASSUNTOS TRATADOS EM REUNIÕES OU CONGRESSOS.

 

8. ANEXOS

a. BOLETIM DE RESULTADOS
b. FOTOGRAFIAS DO EVENTO
c. FITAS DE VÍDEO DO EVENTO
d. ENCARTES PROMOCIONAIS DO EVENTO
e. RECIBOS DE PAGAMENTO DE HOSPEDAGEM, TRANSPORTE E ALIMENTAÇÃO
f. BILHETES DE PASSAGENS AÉREAS UTILIZADAS
g. ATAS DAS REUNIÕES/ CONGRESSO DE ENTIDADE INTERNACIONAL
h. OUTROS

 

DATA E LOCAL ASSINATURA

ANEXO “E“ – TABELAS DA CORRIDA DO BIATLO

3000 METROS


2000 METROS

 

 

 


1000 METROS

 

CELSO SOOMA SASAQUI
DIRETOR TÉCNICO CBPM

 

 

Arquivo

Regulamento Técnico da CBPM ( dezembro 2010)



« Voltar