Comunicados da diretoria

Orientação Técnica 2011
14/12/2010


 

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 2011


1. FINALIDADE
Regular a Orientação Técnica de 2011 às Federações filiadas à CBPM.


2. REFERÊNCIAS
- Estatuto da CBPM;
- Regulamento Técnico da CBPM;
- Calendário Desportivo da CBPM para 2011;
- Plano de Aplicação de Recursos Financeiros para 2011;


3. CENÁRIO ATUAL
A CBPM faz a terceira edição da sua Orientação Técnica, no ciclo de 2009-2012. As com-parações estatísticas mostrarão evolução técnica quantitativa e qualitativa no biênio 2009-2010 comparadas os dados existentes no período de 2002-2004 e no ano de 2008.


4. ESTATÍSTICAS COMPARATIVAS

a. Avaliação Quantitativa
1) Eventos nacionais realizados em 2009

- 1º Triatlo Cidade de Resende:: 80 atletas – Resende-RJ
- Copa Centenário EEF PM: 25 atletas – São Paulo-SP
- 3º Triatlo de Deodoro: 54 atletas – Rio de Janeiro-RJ
- Copa Brigadeiro Sampaio: 49 atletas – Rio de Janeiro-RJ
- 4º Triatlo de Deodoro: 41 atletas – Rio de Janeiro-RJ
- Seletiva para 0 Campeonato Panamericano: 11 atletas – Resende-RJ
- Campeonato Brasileiro de 2010: 69 atletas – Rio de Janeiro-RJ

2) Participação por categoria
Os seguintes efetivos participaram dos eventos nacionais, por categoria:

CATEGORIA Média 2002-2004 2008 2009 2010
Sênior masculino 24 23 28 16
Sênior feminina 08 05 08 07
Júnior masculino 07 12 07 08
Júnior feminino 05 02 02 02
Jovem A masculino 17 06 10 13
Jovem A feminino 10 04 02 01
Jovem B masculino 31 01 07 14
Jovem B feminino 03 01 - 06
Jovem C masculino 19 03 05 20
Jovem C feminino 05 - 02 14
Jovem D masculino 21 03 01 05
Jovem D feminino 04 01 01 14
Jovem E masculino - - - 02
Jovem E feminino - - - 07
TOTAL 154 atletas 61 atletas 73 atletas 129 atletas

A quantidade de atletas que participarou das competições da CBPM em 2010 mostram o sucesso da política de desenvolvimento do pentatlo moderno, com um aumento substancial de atletas nas categorias de base e o Campeonato Brasileiro de 2010 foi o primeiro a ser disputado por todas as categorias do pentatlo moderno.


b. Avaliação Qualitativa
A avaliação qualitativa é baseada na média da pontuação dos primeiros colocados no ranking nacional, comparativamente com os anos anteriores, e pontuação média obtida pe-los primeiros colocados nos mundiais de 2009 e 2010.

1) Média dos 3 primeiros do ranking nacional:

CATEGORIA 2002 2003 2004 2008 2009 2010
Masculino 5125 5306 5160 4938 5736 5429
Feminino 4737 4772 4892 5278 5289 4949

2) Média dos 10 primeiros do ranking nacional:

CATEGORIA 2002 2003 2004 2008 2009 2010
Masculino 4776 4853 4797 4528 5432 5205
Feminino 3360 3535 3271 2552 4034 3724

3) Média de pontuação dos mundiais de 2008 e 2009 e Jogos Olímpicos de 2008:
CATEGORIA 3 primeiros 10 primeiros Jogos Olímpicos
2009 2010 2009 2010 3 primeiros 10 primeiros
Masculino 6117 5763 6048 5646 5568 5484
Feminino 5747 5278 5648 5142 5739 5612

 

 


b. Análise gráfica

 


Da análise do gráfico acima e dos resultados das tabelas, pode-se concluir a nível mun-dial não houve alteração no resultado no masculino, a não ser a redução da pontuação de-vido a mudança da tabela do combinado de 14’ para 12’ 30”, mas no feminino ocorreu uma redução maior devido a mudança da tabela do combinado.
No plano nacional, nota-se uma redução da diferença do ranking que está sendo provo-cado pela renovação que está havendo no pentatlo, já que dos 10 primeiros do ranking de 2010 somente 4 figuravam no ranking em 2008 e dos 5 primeiros do Campeonato Brasileiro de 2010 somente 2 participaram do Campeonato Brasileiro de 2008.


5. ALTERAÇÕES TÉCNICAS PARA 2009

As Federações ativas poderão organizar competições de biatlo e triatlo de forma a selecio-nar os atletas que participarão dos Campeonatos Brasileiros de Inverno, Verão e de Jovens. As provas de biatlo, para as categorias Jovem C; D; E10; E9 e E8, seguirão as normas estabeleci-das pela UIPM para o Biatlo Escolar e os resultados serão enviados a UIPM para que os atle-tas possam integrar o ranking mundial de biatlo. As provas de triatlo serão disputadas pelos atletas das categorias Jovem B e A e os atletas que desejarem subir de categoria para tentar os índices para competições internaciionais.
A pontuação para as provas de biatlo escolar e de triatlo segue as estabelecidas pela UIPM em suas regras.
O quadro abaixo mostra as modalidades disputadas nas provas nacionais, por categoria.

CATEGORIAS NATAÇÃO CORRIDA TIRO ESG HIP
Jovem E8 (nascidos até 2003) 50M 500M NÃO NÃO NÃO
Jovem E9 (nascidos em 2002) 50M 500M NÃO NÃO NÃO
JOVEM E10 (nascidos em 2001) 50m 500m NÃO NÃO NÃO
JOVEM D (nascidos entre 1999 e 2000) 50 m 1000m NÃO NÃO NÃO
JOVEM C (nascidos entre 1997 e 1998) 100m 1000m SIM NÃO NÃO
JOVEM B (nascidos entre 1995 e 1996) 200m 2x1000m SIM NÃO NÃO
JOVEM A (nascidos entre 1993 e 1994) 200m 3x1000m SIM SIM NÃO
Júnior (nascidos entre 1990 e 1992) 200m 3x1000m SIM SIM SIM
Sênior (nascidos antes de 1990) 200m 3x1000m SIM SIM SIM

5. FOMENTO À PRÁTICA DA MODALIDADE

A CBPM auxiliará o treinamento e participação em competições nacionais e internacionais da seguinte forma:
- Isenção de anuidade;
- Isenção de inscrição nas competições nacionais;
- Fornecimento, por empréstimo, de materiais destinados à prática da modalidade
- Custeamento de participação em competições nacionais e internacionais, para os atletas selecionados pelas Federações que tenham os índices para as competições nacionais e pela CBPM para as provas internacionais. Os atletas que tiverem índice e não forem sele-cionados poderão participar das competições com recursos próprios;
- Pagamento de ajuda de custo.

O critério adotado consta do seguinte quadro:

BENEFÍCIO ATLETAS
Isenção de anuidade Todos
Isenção de inscrição Todos
Fornecimento de materiais Atletas selecionados
Custeamento de participação em competições Atletas selecionados
Ajuda de custo Atletas selecionados

1) A ajuda de custo terá como base de cálculo duas tabelas abaixo indicadas. Estas tabelas não serão impositivas, servirão como referência para efeito de cálculo, basear-se-ão no re-sultados do campeonato brasileiro e no ranking da UIPM de Pentatlo Moderno e serão ela-boradas anualmente.

2) Os atletas selecionados que possuam outro tipo de auxílio ou o patrocínio proveniente de clubes, de empresa pública ou privada, ou mesmo de qualquer outro órgão, deverão in-formar à CBPM, que analisará a compatibilidade ou não de se fornecer algum tipo de auxílio a este atleta.

3) A ajuda de custo fornecida ao atleta selecionado constará do Termo de Responsabilidade do Atleta e será fixada por 6 meses. Ao final de cada semestre, o Departamento Técnico da CBPM fará nova avaliação técnica.

4) A referida ajuda não se aplica sobre os trabalhadores que percebam proventos ex-clusivos, como por exemplo, militares. Os mesmos concorrerão a outros benefícios que permitam diminuir os custos da prática da modalidade, como empréstimo de ma-terial, pagamento de transporte, hospedagem e alimentação para participar de treina-mentos ou competições.

5) A primeira tabela estabelece o valor máximo a ser disponibilizado, de acordo com a po-sição do atleta no ranking nacional. A segunda refere-se à pontuação do atleta no ranking nacional. Para efeito de cálculo, cada atleta deverá satisfazer às duas tabelas simulta-neamente.


TABELA DO CAMPEONATO BRASILEIRO 2010

CLASSIFICAÇÃO NO RANKING VALOR MÁXIMO A SER RECEBIDO
MASC FEM
3 PRIMEIRAS CLASSIFICAÇÕES R$ 400,00 R$ 400,00
DA 4ª A 6ª CLASSIFICAÇÃO R$ 200,00 R$ 200,00

TABELA DE PONTUAÇÃO 2009

PONTUAÇAO VALOR
MASC (SÊNIOR) FEM (SENIOR)
ACIMA DE 5500 ACIMA DE 5300 R$ 400,00
DE 5400 A 5500 DE 5100 A 5299 R$ 300,00
DE 5300 A 5400 DE 4900 A 5099 R$ 200,00

Atletas das categorias inferiores que estiverem dentro dos critérios do item 7 R$ 200,00


6. CALENDÁRIO BRASILEIRO DE ESGRIMA

a. Com o objetivo de estimular a participação dos atletas brasileiros de Pentatlo Moderno nas competições de esgrima, a CBPM informa que o calendário das provas nacionais da Confederação Brasileira de Esgrima (CBE) que a CBPM custeará os atletas que tiverem os índices internacionais da cetegoria estabelecidos para o triatlo moderno, constam do calen-dário da CBPM.

7. CRITÉRIO PARA COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS

Para participar de competições internacionais, os atletas têm que ter atingido, no triatlo moderno, as pontuações contidas na tabela abaixo:

2010 2011
CATEGORIA Masculino Feminino Masculino Feminino
Sênior 3400 2800 3400 2800
Júnior (90%) 3060 2520 3060 2520
Jovem A (80%) 2720 2240 2720 2240
Jovem B 3320 2840 2720 2240

As equipes serão compostas por até 3 atletas por categoria. Se houver mais atletas com a pontuação exigida, serão escolhidos pela comissão técnica da CBPM.


8. COMPETIÇÕES NACIONAIS

Para participar de competições nacionais, os atletas tem que ter atingido, no tria-tlo moderno ou no biatlo escolar, de acordo com a categoria, as pontuações contidas na tabela abaixo:

Categorias Masculino Feminino
Sênior 2720 2240
Junior 2448 2016
Jovem A 2176 1792
Jovem B 2176 1792
Jovem C 1800 1500
Jovem D 1680 1400
Jovem E10 1680 1400
Jovem E9 1320 1100
Jovem E8 1300 1000

Conforme estabelecido no Regulamento Técnico da CBPM, as competições nacionais definidas como tal no Calendário da CBPM 2010 contarão para o ranking nacional nas cate-gorias Jovem B, Jovem A, Júnior e Sênior. Nas categorias Jovem E8, E9, E10, D e C, o ran-king nacional será elaborado com base nos resultados das provas regionais, de acordo com os calendários das Federações e também nas competições nacionais.
Como sugestão, os Campeonatos Estaduais poderão ser disputados durante eventos nacionais realizados nas respectivas federações, tendo dupla premiação, uma estadual para os atletas federados naquele Estado e outra nacional, englobando todos os atletas.
A CBPM poderá contribuir financeiramente, desde que a Federação que estiverem lega-lizadas de acordo com o disposto no Estatuto da CBPM, para a realização das provas regio-nais (EVENTOS ESTADUAIS), desde que a CBPM disponha de recursos.


9. COMPETIÇÕES INTERNACIONAIS

Nas competições internacionais, a delegação terá a seguinte configuração: 1 chefe de delegação; 1 técnico de hipismo; 1 técnico de esgrima e no máximo 6 atletas, que cumpram os requisitos. Em algumas competições, poderão ser incluídos outros profissionais que o depar-tamento técnico julgar necessário, desde que haja recursos. Nos eventos em que houver parti-cipação das categorias Júnior e Jovem, as delegações serão majoradas com profissionais que trabalhem com essas categorias.

 

 

 

CELSO SOOMA SASAQUI
DIRETOR TÉCNICO CBPM

 

 

Arquivo

Orientação Técnica 2011



« Voltar